Entenda tudo sobre a Constelação Familiar

Entenda tudo sobre a Constelação Familiar

Desentendimentos e brigas entre familiares são os que mais nos machucam, não é mesmo? Mágoas e questões mal resolvidas entre parentes podem gerar dor e sofrimento que atravessam gerações. Por conta disso, muitas pessoas buscam solucionar esses problemas da melhor forma possível para poder seguir suas vidas com paz e tranquilidade. E uma das melhores maneiras de se fazer isso é pela Constelação Familiar.

Mas você deve estar se perguntando em que consiste a constelação familiar. Bom, o que podemos adiantar é que esta é uma maneira dinâmica, eficaz e benéfica de resolver os problemas destacados acima. E para que você possa entender tudo sobre o assunto, decidimos elaborar um artigo completo sobre este tema. Portanto, acompanhe o texto com bastante atenção!

O que é a constelação familiar?

Constelação Familiar, como destacado previamente, é uma maneira de solucionar todo tipo de conflito familiar que possa existir. Trata-se de uma modalidade terapêutica que busca, principalmente, resolver intrigas que atravessam gerações. O processo pode ser realizado em grupo ou até mesmo individualmente. Para muitos a técnica se assemelha ao psicodrama, por conta da dramatização de situações e da psicoterapia breve.

As sessões envolvem a reconstituição de diversas cenas que envolvam os sentimentos e sensações que o constelado sente sobre sua família. Nelas, são os voluntários e participantes que vivem essas cenas. Já nas sessões individuais podem ser usadas esculturas de bonecos ou quaisquer outros recursos disponíveis para representar os diferentes papéis do sistema.

Para muitos essa técnica é qualificada como subjetiva. Até mesmo por conta disso, diversos especialistas preferem não chamá-la de terapia. Eles afirmam que ela está mais voltada para questões energéticas e fenomenológicas.

Mas então a constelação familiar pode substituir a terapia?

Como destacado, a constelação familiar divide opiniões quanto ao seu poder terapêutico. Mas fato é que, oficialmente, ela não pode substituir a psicoterapia convencional e muito menos dispensar o uso de medicamentos e tratamento psiquiátrico para certas doenças.

Inclusive, é necessário dizer que ela não cura nenhuma doença, apenas serve como recurso para sanar determinados problemas comportamentais e relacionais. Logo, de maneira oficial ela pode ser definida como um complemento à terapia.

Quais tipos de problema a constelação familiar busca resolver?

Agora iremos destacar quais problemas a constelação familiar busca resolver. As questões mais comuns levantadas durante esse procedimento são problemas com o pai e/ou mãe. Entretanto, não podemos resumir a constelação unicamente a isso, sendo que ela abrange outros diversos tipos de problemas, sendo um processo extremamente amplo.

Outro ponto bastante abordado são os conflitos com filhos adolescentes, uma vez que nessa faixa etária as discussões e o fato de eles se acharem mais espertos do que os pais são habituais. Dificuldades no emprego e no meio profissional, um destino familiar recorrente, problemas financeiros e condutas repetitivas são outros males comuns citados durante esse tipo de tratamento.

Ainda é interessante citar que dois dos problemas mais constelados são as dificuldades em lidar com dinheiro e em estabelecer relações amorosas saudáveis. Um fator curioso é que, na grande maioria das vezes, durante o processo, é bastante comum que a pessoa perceba que vem repetindo padrões de seus antepassados, mesmo que nunca os tenha conhecido.

Os efeitos do tratamento são comprovados?

Essa é outra questão bastante subjetiva. Isso porque os efeitos da constelação dependem muito do quanto a pessoa acredita e está aberta a receber o tratamento. E para muitos essa é a parte mais importante do processo para que realmente haja uma transformação. Muitas pessoas afirmam que ao final do tratamento ficam em paz e conseguem focar em outros aspectos de suas vidas.

Todos podem realizar o tratamento?

De maneira geral, toda e qualquer pessoa pode participar da constelação familiar. Entretanto, especialistas afirmam não se tratar de uma boa experiência para aqueles que sofrem com depressão profunda ou são emocionalmente muito frágeis. Isso porque o tratamento toca em sentimentos extremamente profundos e difíceis de entender/lidar.

Indivíduos que sofrem com quadros psicopatológicos, que estejam em crise psiquiátrica ou em pré-crise, vítimas de traumas profundos, e pessoas sob efeito de álcool e drogas também não devem participar da constelação. Também é necessário destacar a questão das crianças. Estas podem participar desde que haja prévia autorização dos pais.

O recomendado é que a criança tenha, no mínimo, 8 anos de idade. Esta faixa etária é considerada como ponto de início para a compreensão de fatos mais complexos e elaborados pela mente humana. grávidas em situação de risco e gestações no primeiro ou no terceiro trimestre não devem constelar, sob o risco, respectivamente, de aborto e parto prematuro.

O número de sessões necessárias varia de caso para caso. Todavia, quem aplica o tratamento afirma que em uma sessão é possível obter resultados altamente satisfatórios. Agora você já sabe mais sobre a constelação familiar e suas principais características. Em caso de maiores dúvidas, deixe um comentário ou entre diretamente em contato com o nosso time de profissionais.

Author

DPCL Advogados

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *